sábado, outubro 08, 2005

“She hate me” (2005), Spike Lee



Jack Armstrong (Anthony Mackie) é um executivo que trabalha numa empresa farmacêutica mas que é despedido após denunciar a empresa de uns negócios ilícitos.
Quando se vê desempregado e necessitando de arranjar dinheiro, aceita a proposta da sua ex-namorada Fátima (Kerry Washington): fecundar lésbicas que lhe oferecem grandes quantias de dinheiro.

Depois duma obra como “25th Hour”, nem parece que estamos na presença de um filme do mesmo realizador.
Na verdade, este “She hate me” promete muito mas cumpre pouco.
O que estraga o filme, no meu parecer, é que nunca chegamos a perceber o que Spike Lee pretendeu fazer.
O filme conjuga uma série de assuntos actuais mas que nada têm a ver uns com os outros: nele encontramos as temáticas da homossexualidade, máfia, corrupção, racismo, etc.
Spike Lee procurou falar abertamente sobre todos estes assuntos mas parece que se esqueceu de criar uma história menos incongruente e mais objectiva. Os temas parecem que não encaixam todos na mesma história e por isso temos a sensação que falta um elo unificador em todo o filme.

O que salva este “She hate me”, de certa forma, é uma das últimas cenas (a cena do beijo a três) que contém mais emoção que todo o restante filme.

* *

4 comentários:

Julio disse...

``Spike Lee procurou falar abertamente sobre todos estes assuntos mas parece que se esqueceu de criar uma história menos incongruente e mais objectiva.``
Excelente ponto de vista! Tas a ver como gosto sempre de ler as tuas criticas, ajudam/me a perceber melhor o q vimos!
Nao achei o filme nada de especial. Nao teve muita piada. MAs as sessoes sao sempre boas ;)
amt

André Batista disse...

Escusavas de contar o final, mas pronto, é só um detalhe. vi o filme á cerca de duas semanas, e já tinha começado a escrever a análise (que já está ccompleta) ao filme, portanto, amanha no meu blog podes também contar com a minha opinião do filme. See ya :)

P.S. Espero que comentes hein ??? lo0l ;)

gonn1000 disse...

Gostei, mas não tanto como de "25th Hour" e "Summer of Sam". Não é brilhante, mas consegue estar bem acima da média...

Joana C. disse...

abdré batista: acho que a parte final do meu comentário não estraga em nada a surpresa para quem não viu o filme.
verei a tua crítica sim :)