sexta-feira, novembro 11, 2005

“The constant gardener” (2005), Fernando Meirelles



It's like it's a marriage of convenience and all it produces are dead offspring.

Baseado no romance homónimo de John Le Carré e realizado por Fernando Meirelles (“Cidade de Deus”), “The constant gardener” é um filme sobre o amor, sobre a busca da verdade e sobre o abuso do poder.

No Quénia, a esposa de um diplomata é brutalmente assassinada juntamente com um médico local. Abalado com a inesperada notícia, Justin Quayle (Ralph Fiennes), embarca numa perigosa e alucinante viagem para desvendar os mistérios da morte da sua mulher, Tessa Quayle (Rachel Weisz).

“The constant gardener” é, antes de mais, um thriller político que levanta inúmeras questões sobre o poder. Aqui é retratado o abuso e exploração de uma indústria farmacêutica para com pessoas sem meios e sem condições que nela confiam e julgam ver alguma esperança.
É esta injustiça social e humana que Tessa Quayle investiga e deseja desmascarar. Mas a “perigosa” activista é estrategicamente aniquilada com o objectivo das suas investigações permaneceram em puro segredo.
Quando a esposa morre, Justin além de querer limpar o nome da sua mulher (dita como infiel) e descobrir quem a matou, pretende antes de tudo continuar o trabalho dela e revelar ao mundo as suas espantosas e chocantes descobertas.

Todo este enredo de thriller pode ser visto como um pretexto da história de amor que está subjacente no filme. Em variados flashbacks vamos percebendo a história de amor entre estes dois seres tão díspares (ele tímido e pacato, ela exuberante e expansiva).
Ao continuar o trabalho que a sua mulher deixou inacabado, Justin acaba por provar o seu grande amor por Tessa.

Não posso deixar de referir a espantosa interpretação de um dos melhores actores da actualidade, Ralph Fiennes, e a realização crua do brasileiro Fernando Meirelles, vencedor de um Óscar para o seu anterior filme “Cidade de Deus”.

* * *

8 comentários:

Julio disse...

Um bom filme que foca vários aspectos do quotidiano, principalmente das ex-colónias.
Foi muito bem filmado pelo nosso irmão!
3***
5bjs

Francisco Mendes disse...

Meirelles estampa o seu cunho na obra de le Carré e a fotografia de César Charlone irradia imagens de profunda destituição, perscrutando a nossa confortável distância relativamente à degradação do bairro de Kibera.
Adorei esta portentosa obra lírica.

Cumprimentos.

H. disse...

Um filme muito bom, sem dúvida!

gonn1000 disse...

Não é tão bom como "Cidade de Deus", mas está acima da média.

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... Cisco simulators Kia lights used maternity wedding dress Isuzu off part road

Anónimo disse...

Best regards from NY! » » »

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. film editing classes

Anónimo disse...

Amiable post and this enter helped me alot in my college assignement. Thank you seeking your information.