sexta-feira, dezembro 16, 2005

“Just like heaven” (2005), Mark Waters



Almas penadas

David (Mark Ruffalo), um arquitecto paisagístico, decide mudar de casa e encontra um belíssimo apartamento em San Francisco.
No entanto a sua vida não corre calmamente como o esperado uma vez que uma mulher chamada Elizabeth (Reese Witherspoon) lhe aparece pelo meio da mobília a dizer que é a verdadeira proprietária da casa.
Os dois chegam à conclusão que Elizabeth é um fantasma e então unem esforços para a fazer voltar ao seu corpo que se encontra em coma. Pelo meio, e como seria de esperar, os dois apaixonam-se.

“Just like heaven” não trás nada de novo e vai buscar muitas ideias a tantos outros milhares de filmes que já vimos na televisão num sábado à tarde.
Divertido q.b, esta é mais uma história de amor com um final feliz e cheio de cor.
O par romântico até tem uma prestação eficaz, o problema deste filme reside na falta de originalidade e numa resolução básica e simplista da conclusão.
Ao menos salve-se a música do final que dá nome ao filme, “Just like heaven” dos The Cure.

*

2 comentários:

Júlio disse...

Muito mauzinho. Típica americanice. Valeu, como sempre, a sessão.
1/1 exactamente
amt

H. disse...

realmente tb n me apetece nd ir ver isto...há coisas mais interessantes em cartaz ate no campo da comedia romantica como o fabuloso Elizabethtown... e estou com alguma curiosidd p ver Shopgirl...