sexta-feira, novembro 25, 2005

Concerto Coldplay + Goldfrapp – Pav.Atlântico, 23 Novembro 2005

Lógica certa, fórmula Coldplay

São raras as vezes que temos a oportunidade de ver duas grandes bandas num único concerto.
Por sorte, a “Twisted Logic Tour”, que mais uma vez trouxe os consagrados Coldplay ao nosso país, presenteou-nos com uma primeira parte de luxo: os Goldfrapp.

Com um álbum recente para nos apresentar, Alisson Goldfrapp e Will Gregory tiveram a tarefa ingrata de abrir um concerto para outra banda.
Com uma discografia ainda razoavelmente pequena mas cheia de pequenas pérolas, os Goldfrapp já são uma das bandas mais interessantes e originais dos tempos que correm e, por isso mesmo, é algo ingrato terem que fazer a primeira parte de um concerto de quem quer que seja.
Apesar da voz de Alisson estar mais sexy e esplêndida que nunca, dos efeitos das luzes e da energia das músicas, o público não se mostrou muito receptivo uma vez que estava impaciente para ver os Coldplay subir ao palco.
Mesmo assim, os Goldfrapp deram um belíssimo mini-concerto no qual pudemos ouvir maioritariamente músicas do último “Supernature” mas por onde passaram também as mais antigas “Strict Machine”, “Black Cherry” e “Train”.
A despedida coube a “Ooh la la”, a música que parece ter desperte mais interesse na audiência.



Depois de um atraso devido a problemas técnicos, “Square One” deu o pontapé de saída para o regresso dos Coldplay ao recinto que já em 2003 os recebera.
Chris Martin e restante banda estão melhor do que nunca em palco, muito mais soltos e dinâmicos. Aliás, Chris Martin já não se agarra tanto ao piano mas vai percorrendo todo o palco e arredores enquanto canta.
Um enorme ecrã curvo servia de cenário, bem como um fabuloso jogo de luzes.
O público vibrou, cantou e entrou em histeria ao longo de 1h30 de actuação por onde passaram já os clássicos “Yellow”, “In my place”, “The scientist”, “Clocks” e as mais recentes “Talk”, “Speed of Sound” e “Til kingdom come”.
O momento mais alto foi no final, em honras de encore: “Fix you”, maravilhosamente interpretada por Chris Martin mas também pelo público.
Apesar de ter sido um concerto cheio de pontos altos com uma banda cada vez mais profissional e entregue ao público, parece que algo faltou. Talvez a escolha do alinhamento tenha pecado por não incluir mais músicas do primeiro álbum da banda, “Parachutes”.
Foi bom mas o concerto de 2003 foi ainda melhor.

6 comentários:

Júlio disse...

Disseste tudo. Foi uma boa noite de música. Os Goldfrapp tiveram, de facto, uma óptima actuação (aquelas luzes todas até nos encadearam). Certo é que não deveriam abrir um concerto, ainda por mais: já existem há mais tempos que os Coldplay.
Estes foram soberbos também. Apesar da pouca duração (1h20?) mostraram o que valem, com alguns momentos brilhantes! (incluindo os enganos :P )
Agr n quero ouvir falar deles por uns tempos lol

Joana C. disse...

júlio: pode ser que os Goldfrapp voltem cá para o ano com um concerto só deles :D
os enganos do Chris foram muito engraçados,lol.
amt*

Júlio disse...

eu tmb*

H. disse...

Foi um belo concerto!
Esperava um poukinho mas dos Goldfrapp mas no geral apreciei bastante as duas bandas em palco.
Gostei :)

Anónimo disse...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it » »

Anónimo disse...

best regards, nice info 1988 chrysler transmission problems Zocor grapefuit Infrared humidifier quartz Kitchen design jobs watches Lacie flat panel monitors company hosting maryland web zyrtec flowers 1928 buick sedan