quarta-feira, outubro 11, 2006

“The Black Dahlia” (2006), Brian de Palma



Nothing stays buried forever. Nothing.

Adaptado do romance homónimo de James Ellroy, a história de “The Black Dahlia” passa-se em Los Angeles na década de 40.
Bucky Bleichert (Josh Hartnett) e Lee Blanchard (Aaron Eckhart), dois agentes policiais e ex-pugilistas, são destacados para investigar o caso de uma jovem aspirante a actriz que foi brutalmente assassinada.
À medida que a investigação avança, Bleichert e Blanchard vão-se tornando obcecados com o caso e as suas próprias vidas se misturam com a história da Dália Negra.

Visualmente repleto de glamour, ou não se tratasse de um filme decorrido na década de 40, “The Black Dahlia” peca em alguns aspectos, nomeadamente na exaustão de informação dada (informação essa que chega a confundir o espectador).
Vamos recebendo muitos dados mas é só na recta final do filme que os factos vão encaixando um pouco às três pancadas.

Inspirado claramente nos filmes noir dos anos 40 e 50, “The Black Dahlia” tem um argumento bastante interessante (que no entanto poderia ter-se centrado mais no assassinato da Dália Negra sem enveredar por outros caminhos), interpretações exigentes (se bem que Scarlett Johansson não tenha um papel muito relevante na trama) e é estilisticamente inspirador.

* * *

6 comentários:

Júlio disse...

Fiquei um pouco desiludido, estava à espera de mais. E a Scarllet ficou um pco ofuscada com o protagonismo da vilã. E às vezes torna-se um pco confuso o filme! Mas pronto. =)

Hugo Alves disse...

Sim. Estilisticamente é soberbo. Aliás, enquanto objecto cinematográfico, o filme é uma pequena grande lição de Cinema

Senhora das Aguas disse...

Foi um filme, como disse o hugo, estilisticamente soberbo, concordo. Mas como ja frisei em outros blogs, não gostei do desempenho da Scarlett, nem foi por ter sdo ou nao ofuscada, ela simplesmente, ofuscou se!

gonn1000 disse...

Fraco, vazio, aborrecido e irrelevante. O que não faz o nome do realizador...

H. disse...

Achei o filme desequilibrado. Parecia ter potencial para obra-prima mas acaba por pecar por algumas quebras na narrativa, sobretudo numa precipitação final. Ainda assim é bom revisitar o noir quando este é bem filmado (e A Dália Negra é-o)...

Spaceboy disse...

Apesar d só ter ouvido dizer mal, queria muito ver isto, tem a Scarlett...