sábado, abril 21, 2007

"En Soap" (2007), Pernille Fischer Christensen



A vida delas dava uma telenovela


Charlotte (Trine Dyrholm) sai de casa do namorado com quem viveu quatro anos e muda-se para uma casa mais modesta para ter um espaço só para si. Conhece Veronica (Daniel Dencik), um transsexual que mora no apartamento debaixo do seu. Com o passar dos dias e à medida que se vão conhecendo melhor, surge uma empatia algo ambígua entre Charlotte e Veronica, ambas à espera de qualquer coisa da sua vida: Charlotte procura talvez um homem que a satisfaça (ao longo do filme vemos os seus encontros sexuais com homens casuais) e Veronica aguarda a autorização que lhe vai permitir mudar de sexo.
Podíamos pensar que a vida destas mulheres se cruza porque estão ambas sozinhas mas elas aproximam-se quando o ex-namorado de Charlotte a agride fisicamente. Veronica interfere e, de certa forma, salva Charlotte, levando-a para sua casa e cuidando carinhosamente dela. O mais interessante deste filme é mesmo relação entre as duas, nunca evidenciando nada de muito concreto. O final em aberto deixa ao critério de cada espectador o rumo daquelas duas personagens, podendo cada um de nós imaginar a continuação das suas histórias.
Muito longe dos ambientes dos filmes de Almodóvar, também muitas vezes centrados em mulheres e transsexuais, “En Soap” é um filme mais melancólico e realista, no sentido em que é filmado com o mínimo de artifício possível. O único recurso mais elaborado a nível estilístico é a separação do filme por capítulos, a preto e branco e com um narrador que nos vai dando umas pistas sobre o que vai acontecer a seguir. Essa divisão de “En Soap” por capítulos parece fazer referência ao universo das telenovelas (as telenovelas têm, aliás, um papel importante, ou não fizessem parte do próprio título do filme).
Os desempenhos de Daniel Dencik e Trine Dyrholm são impecáveis, mostrando a entrega destes dois actores. O cinema dinamarquês é pouco conhecido em Portugal mas este filme, que ganhou o prémio de Melhor Primeira Obra no festival de Berlim de 2006, pode ser um bom começo para conhecermos um pouco mais do cinema deste país nórdico.
* * * *

6 comentários:

Mariana disse...

joana, eu sou do brasil e li no teu blogue alguém dizendo que tal coisa era "gira". tu podes me dizer que isso significa(não consegui nem mesmo deduzir pelo contexto =/)?
um abração, e parabéns pelas tuas críticas!

Joana C. disse...

mariana: "gira" ou "giro" em Portugal é bonito, agradável. ;)

Anónimo disse...

Adorei o filme!!!

Júlio disse...

Bom filme!

Lua Obscura disse...

Um filme bem caricato, invulgar e especial.

Anónimo disse...

Queria apenas fazer uma correcção: o nome do actor é David Dencik.